Para formular objetivos alinhados com seu ser verdadeiro, a pessoa que você realmente é (e que, muitas vezes, não tem nada em comum com o modo como o mundo o vê), é preciso estar conectado com seu propósito.

Seu propósito permite o desenvolvimento do seu potencial e o leva a fazer a diferença no mundo. Não há dinheiro, sucesso, beleza que valham mais do que isso. Ao ter senso de propósito, você para de se preocupar com a vida. E se ocupa do presente, vivendo a alegria do aqui e agora.

A clareza de propósito é um norte que configura a bussola interna e o avisa sempre que você se afasta do seu eixo e perde o contato com as verdadeiras razões da sua existência

Descobrindo seu propósito

Você já conquistou um objetivo e mesmo assim continuou sentido um vazio por dentro, concluindo depois que aquele objetivo não era tão importante?

Muitas pessoas perseguem um objetivo e, ao alcançá-lo, não sentem mais do que uma satisfação momentânea. Objetivos estão relacionados com o que você quer alcançar. Propósito tem a ver com o porquê você escolhe um objetivo.

Sem um porquê bastante forte, de nada adianta traçar objetivos. O senso de realização por alcançá-los só se torna duradouro e verdadeiro quando suas conquistas estão alinhadas cm seu propositivo de vida.

Se tivesse certeza absoluta de que teria sucesso, a que dedicaria sua vida?

Ou, em outras palavras, se tivesse tudo o que deseja, sem preocupação de espécie alguma, ainda assim o que o motivaria a entrar em ação?

Conhecer seu propósito lhe dá a força e a determinação necessárias para buscar seu lugar no mundo.

Vivendo seu propósito

Quando uma idéia ou um projeto produzem grande quantidade de energia e entusiasmo em sua vida, é sinal de que você está conectado com seu propósito.

Já imaginou como seria sua vida se, ao se levantar todas as manhãs, fizesse aquilo que adora fazer? E se investisse seu tempo e energia num trabalho que é mais do que uma forma de pagar suas contas, algo que justificasse sua vida e representasse a oportunidade de exercer seus talentos?

Para muitas pessoas a obrigação de pagar contas e de sobreviver é um impedimento para dedicar-se a um trabalho de que simplesmente goste. Entretanto, todos podem encontrar um modo de ganhar a vida trabalhando em algo que possam exercitar seus talentos, algo que preencha seu propósito de vida.

Seja em uma empresa, prestando serviços, criando ou desenvolvendo seu próprio negocio, ao fazer aquilo que faz melhor estará ajudando a transformar este mundo num lugar mais amoroso.

Ao viver seu propósito, você para de se preocupar com a vida e se torna alegre. Deixa de trabalhar apenas em troca de um retorno financeiro e obtém a maior das recompensas a auto-realização. Você ri mais e vive mais feliz, porque ama o que está fazendo.

Não julgue um propósito

Não há propósitos pequenos ou insignificantes. Todos são valiosos e importantes. Um propósito não significa, necessariamente, grandes projetos, invenções ou idéias extraordinárias.

Ao contrario, muitas vezes ele está ligado a tarefas e valores que dão consistência ao dia-a-dia. Criar filhos e educá-los, ensinar, curar, consolar são exemplos de propósitos valiosos. O propósito de cada um é o seu tesouro.

Exemplo:

Eduardo é a terceira geração de uma família de advogados cujo sobrenome tornou-se referencia de pericia no mundo jurídico. Sendo o filho mais velho, o caminho de Eduardo foi delineado antes mesmo de ele ingressar na universidade.

Herdeiro do escritório de advocacia da família, assim que entrou para a faculdade começou a trabalhar lá.

Especializou-se em Direito Comercial e tornou-se mais um respeitável advogado da tradicional família. A postura profissional impunha relacionamentos formais com os clientes e uma vida discreta a fim de preservar a credibilidade social.

Aos 42 anos, porém, sem dar sinal de que havia algo errado em sua vida. Eduardo saiu de casa e pediu divorcio.

Sua ansiedade havia atingido níveis intoleráveis e nada mais o satisfazia. Entrou em conflito com a família e ninguém parecia compreender o que estava acontecendo. Pela primeira vez, Eduardo sentia-se perdido, sem direção. Não queira continuar levando aquela vida, mas não tinha idéia do que fazer. Comprou uma passagem para a Europa e saiu de férias.

Numa excursão de bicicleta pelo interior da França, teve oportunidade de conversar com o proprietário de uma pequena agencia de turismo ecológico. Soube que ele tinha sido um homem do mercado financeiro, mas que abandonara tudo para fazer o que gostava. Foi a primeira vez que ouviu alguém falar em propósito de vida.

Por mais que tentasse, parecia que seu propósito lhe escapava, de tal forma tinha se condicionado a fazer o que sempre fizera. Ao voltar para o Brasil, Eduardo buscou ajuda para descobrir quem realmente ele era.

Quando adolescente gostava de organizar festas, reunir pessoas, divertir-se em ambientes animados com musica e dança. Seguindo por esse caminho, descobriu que seu propósito era conectar pessoas e fazer com que se divertissem. Percebeu que, se não desse uma guinada na vida viveria frustrado e amargurado.

A consciência do seu propósito fez com que se desligasse do escritório da família. Abriu uma empresa de eventos, passou a promover festas, feiras e festivais  e logo alcançou o sucesso. Encontrou uma companheira que compartilhava sua opção por um estilo de vida descontraído e sem rotina.

Atualmente, mesmo quando precisa virar a noite e ficar dias quase sem dormir, Eduardo se sente energizado e feliz.

Como lembrança do que chama de “a outra encarnação”, guardou uma única gravata, emoldurada na parede de sala.

O valor do propósito de vida

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *